Iniciativa decorre no Museu da Consolata

 

Fátima, 09 out 2019 (Ecclesia) – O Museu da Consolata, Arte Sacra e Etnologia, em Fátima, acolhe a partir de hoje a exposição temporária Amazónia -Yanomami, os guardiões da «Casa Comum».

A mostra apresenta fotos do jornalista Francisco Pedro, que conheceu a tribo e a sua luta pela “demarcação” pela terra, durante uma reportagem.

“Fascinou-me a luta, a forma de vida daquele povo”, relata à Agência ECCLESIA.

O jornalista viveu uma semana, “em plena selva”, que recorda como “uma experiência fantástica”, na qual se impressionou com a “forma simples” como os Yanomami continuam a viver.

“Apenas pedem que os deixem em paz, na terra deles”, assinala.

A exposição apresenta as fotos numa impressão em “folha de planta natural”, através do processo de fotossíntese, para manter a preocupação ecológica.

A mostra acontece durante o Mês Missionário Extraordinário convocado pelo Papa Francisco e no âmbito do Sínodo especial ‘Amazónia: Novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral’ a decorrer em Roma, que decorre até 27 de outubro.

Além das fotografias, encontram-se expostos alguns objetos do acervo do museu, habitualmente em reserva, dando testemunho de atividades relacionadas com a caça, pesca, alimentação adornos, entre outras.

Os Yanomami vivem em casas comunitárias, as malocas, construídas com madeiras, cipós, esteios, folhas e barros amassados.

Gonçalo Cardoso, diretor do Museu da Consolata, destacou a dimensão “missionária” desta instituição, que está a celebrar 20 anos de existência.

A inauguração, pelas 17h00, inclui um debate com Francisco Pedro e com o padre André Ribeiro, missionário da Consolata, recém.chegado da Missão Catrimani da Amazónia brasileira.

A mostra está patente até 19 de novembro.

PR/OC

Sínodo 2019: Missionário na Amazónia denuncia ameaça dos garimpeiros sobre populações e territórios

 

 

Partilhar:
Share