José Luís Nunes Martins

É aterrador viver com fé na sublime verdade do amor, à qual só se pode aceder com a alma.

O mundo olha com desdém para aqueles que se aventuram por este único caminho que leva ao céu. Amar é perigoso, porque nunca se arrisca menos do que a vida inteira.

O amor abraça aquilo que a morte pode levar, a qualquer momento. É preciso mais do que coragem para nos entregarmos ao que se pode perder…

Amar é ser caridoso e dar com benevolência. Não se trata de uma busca de prazer, de uma troca de alívios ou do entrelaçar de duas solidões.

Que importância tem para o mundo alguém que busca amar-se a si mesmo? Não será que o nosso valor mais profundo se revela quando fazemos algo de bom ou mau por quem nada pode fazer por nós?

Com que respeito tratamos aqueles que não nos respeitam?

Amar não acontece, é uma escolha clara por uma ação concreta face a alguém que precisa.

O primeiro momento do amor é o silêncio da contemplação atenta do outro e daquilo que necessita. Até que chega o momento de lhe dar aquilo que ele precisa, que não costuma ser o que quer… nem, tão-pouco, o que queremos nós.

Amar revela-nos e isso é intimidante, porque não é comum que sejamos quem julgamos ser…

Amar é sagrado, porque é viver no coração de Deus.

O amor dá tudo, mas também pede tudo.

 

Partilhar:
Share