Cónego Carlos de Aquino explicou que na avaliação dos vários grupos é sempre referida a «importância de tornar mais claro aos jovens e às crianças» o que a Igreja celebra

Faro, 09 jan 2023 (Ecclesia) – O Departamento da Pastoral Litúrgica do Algarve realizou uma Jornada de Liturgia com o tema geral ‘Celebrar a fé com os jovens’, onde refletiram sobre a participação na liturgia, a escuta da Palavra e cuidado da linguagem simbólica.

O diretor do Departamento da Pastoral Litúrgica da Diocese do Algarve começou por explicar que o tema ‘Celebrar a fé com os jovens’ foi escolhido “não só por causa da Jornada Mundial da Juventude”, a edição internacional que se realiza em Lisboa, de 1 a 6 de agosto, mas, porque é sempre referida a “importância de tornar mais claro aos jovens e às crianças” o que a Igreja celebra, “na avaliação dos vários grupos da diocese”, informa o jornal ‘Folha do Domingo’.

“Com as crianças e os jovens na celebração devemos dar lugar a gestos, movimentos”, disse o cónego Carlos de Aquino, que refletiu sobre o subtema ‘Cuidar da linguagem simbólica’.

O sacerdote alertou os participantes da Jornada de Pastoral Litúrgica para o “grande desafio” da valorização da expressão simbólica nas celebrações, observando que a valorização da vivência da expressão simbólica na liturgia “será sempre um desafio para a catequese”.

“É urgente educarmos para os sinais e para os símbolos”, sublinhou o diretor do Departamento da Pastoral Litúrgica do Algarve.

Este encontro de formação, que mobilizou cerca de 60 pessoas de várias paróquias do Algarve, realizou-se este sábado, no Centro Pastoral de Pêra e na igreja matriz; teve como destinatários os jovens e os animadores dos grupos juvenis e aos catequistas, e agentes pastorais envolvidos nos ministérios litúrgicos de leitores, acólitos, ministros extraordinários da comunhão ou membros das equipas de acolhimento.

O padre António de Freitas, na conferência ‘A participação dos jovens na Liturgia’, assinalou o “desafio antropológico” de explicar a liturgia aos jovens como “encontro com Cristo”.

“Como Igreja temos o desafio de ajudar os jovens a compreender que celebrar a fé é encontrar-se com alguém, com uma pessoa viva que nos ama, nos conhece e quer salvar, que nos valoriza e nos busca sem se cansar; que celebrar a fé é exprimir, pelo que se escuta, pelo que se canta, pelos gestos, pelas respostas, a esse alguém a nossa gratidão pelo seu amor, a nossa necessidade do seu amor e que queremos crescer também em amor a essa pessoa. A liturgia ou se torna para um jovem cristão lugar e tempo de amizade com Cristo ou, mais cedo ou mais tarde, será um tempo vazio sem sentido”, desenvolveu.

Segundo o sacerdote da Diocese do Algarve, vigário episcopal para a pastoral, “a liturgia tem tudo o que um jovem gosta”.

“Falamos e escutamos, cantamos e fazemos silêncio, rezamos juntos e em particular. Exprimimos os nossos sentimentos com a alma e com o corpo, temos momentos felizes e mais espontâneos e momentos de maior recolhimento”, exemplificou.

O padre Pedro Manuel, diretor do Secretariado diocesano da Catequese do Algarve, falou sobre ‘Educar para a escuta da Palavra’, e este desafio da escuta é algo que se prende com a sua aplicação prática na vida.

“Educar para a escuta da Palavra é sobretudo pedir ao Senhor que nos dê força todos os dias para conseguirmos escutar a Palavra, aplicá-la à vida e, por vontade d’Ele e pela força do Espírito, anunciarmos, vivendo, que essa Palavra tem consequências práticas na nossa história”, explicou.

Para o diretor do Secretariado diocesano da Catequese do Algarve “exige-se” aos catequistas, leitores e padres que “anunciem mais pela vida do que pelas palavras”.

A Jornada de Pastoral Liturgia do Algarve terminou com a entrega aos representantes de cada paróquia de uma celebração mistagógica, elaborada pelo diretor do Departamento Diocesano da Pastoral Litúrgica, para ser realizada no dia 23, no encontro mensal ‘Rumo ao 23’, que se realiza como preparação para a JMJ Lisboa 2023.

CB

Partilhar:
Share