Saques e destruição de negócios têm «impacto direto nos meios de subsistência e no acesso a alimentos»

Foto: EPA/Lusa

Pietermaritzburg, África do Sul, 15 jul 2021 (Ecclesia) – Os líderes das Igrejas de KwaZulu Natal, uma província costeira da África do Sul, apelaram à paz e ao fim da violência que afeta o país desde 9 de julho, quando o ex-presidente Jacob Zuma foi detido.

“Condenamos nos termos mais veementes possíveis os atos de incêndio de empresas, bem como a de assentamentos informais, a tensão racial típica onde africanos negros são atacados, as ameaças de ataque a estrangeiros ou ataques xenófobos e, com maior veemência as ameaças de lançamento de violência inter-racial”, pode ler-se num comunicado publicado no site da Conferência dos bispos católicos da África do Sul, após uma reunião virtual de emergência das Igrejas para avaliar a atual situação de violência e agitação em várias partes da província e do país.

Os líderes assinalaram “séria preocupação” sobre a violência, os saques e danos sobre a propriedade com um impacto “direto nos negócios, nos meios de subsistência e no acesso aos alimentos”.

“Condenamos, nos termos mais fortes possíveis, a violência que tem causado estragos em nossa província: destruindo propriedades, infraestrutura e negócios, intimidando pessoas inocentes e causando medo e ansiedade generalizados. Afirmamos que isso é totalmente inaceitável e não pode, em hipótese alguma, ser tolerado ”, disse o cardeal Wilfrid Napier, arcebispo de Durban.

Os responsáveis religiosos, reconhecendo “diferentes pontos de vista e opiniões sobre as questões sociopolíticas da época”, pedem o diálogo e “intervenções práticas” das partes envolvidas, em detrimento da violência.

A desigualdade “histórica” pede atitudes urgentes, para reduzir “o abismo gritante e imoral entre os ricos e as pessoas marginalizadas”.

Foto: EPA/Lusa

“Instamos os nossos líderes políticos, sociais e comunitários a apelar e se posicionar pela paz e tranquilidade, para que as questões do dia possam ser abordadas com a participação de líderes de todos os setores da sociedade”, disse o cardeal Napier.

O grupo destacou o papel fundamental que a Igreja tem na oferta de cuidado pastoral, acompanhamento e construção da paz e exortou os líderes religiosos a serem visíveis na oferta de apoio onde for necessário.

“O governo, os setores religiosos e comerciais e a sociedade civil juntos têm um papel urgente a desempenhar na resposta aos que estão necessitados e famintos; uma situação que só foi amplificada pela pandemia Covid-19 nos últimos 18 meses. A pobreza e a fome terrível não podem ser ignoradas e devem ser tratadas imediatamente. Deixar essas realidades vividas sem solução não é apenas imoral, mas também preparará um terreno fértil para a inquietação ”, declarou o bispo Nkosinathi Myaka, da Diocese do Sudeste da Igreja Evangélica Luterana, na África do Sul.

O grupo de líderes da Igreja KwaZulu Natal quer garantir que a paz e a calma sejam restauradas e, em encontros recentes com líderes políticos e económico, procuram “encontrar soluções viáveis ​​e duradouras para esta crise”, nomeadamente, assegurando que o clero tenha permissão para viajar de forma a prestar cuidado pastoral, mesmo durante os horários restritos à circulação.

Os responsáveis religiosos apelam ainda à solidariedade para ajudar os mais atingidos pela crise alimentar, nomeadamente, a doação de alimentos, e pedem também disponibilidade para formar “monitores de paz”.

Foto: EPA/Lusa

“Continuaremos a jornada e apoiaremos nosso governo por meio de orações contínuas e escalaremos qualquer informação que consideremos benéfica para nosso povo, porque as igrejas estão sem palavras neste nível de violência revoltante. Lamentamos com todos aqueles que sofrem e estendemos nossas sinceras condolências a todos aqueles que perderam entes queridos neste momento. Além disso, faremos todo o possível para proteger as crianças, os idosos, os doentes e os vulneráveis ​​por meio de ações que construam a fé, a esperança e o amor no mundo que nos rodeia ”, afirmou D. Nkosinathi Myaka.

A África do Sul vive uma onda de violentos tumultos e pilhagens desde o dia 9 de julho, inicialmente como protestos contra a prisão do ex-Presidente Jacob Zuma por desrespeito ao Tribunal Constitucional, ao recusar-se a testemunhar por corrupção.

Durante o fim-de-semana, a situação degenerou numa onda de saques e vandalismo indiscriminado, de uma magnitude que o presidente do país, Cyril Ramaphosa, comparou com a transição que a África do Sul viveu no início dos anos 1990, após o fim do sistema segregacionista do “apartheid”.

As províncias mais afetadas pela violência são Gauteng e KwaZulu-Natal mas a violência alastra às províncias do Cabo do Norte e Mpumalanga, fronteira com Moçambique, e Essuatíni, antiga Suazilândia.

Cerca de 450 mil portugueses e lusodescendentes vivem na África do sul e, à agência Lusa, Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros português, afirmou que os serviços diplomáticos estão focados no apoio à comunidade portuguesa.

LS

Partilhar:
Share