Conferência Episcopal propõe uma reflexão sobre o matrimónio cristão no tempo de preparação para a Páscoa

Lisboa, 04 mar 2017 (Ecclesia) –  Os bispos da Guiné-Bissau destinam a renúncia quaresmal ao “alívio da dor dos doentes” e divulgam a proposta de reflexão sobre o matrimónio cristão no tempo de preparação para a Páscoa da Conferência Episcopal em que se inserem.

“O resultado da renúncia quaresmal deste ano 2017 será destinado para o alívio da dor dos doentes”, indicam os bispos de Bissau, José Câmnate Bissign, e de Bafatá, Dom Pedro Carlos Zilli.

“Que pela oração e pela caridade manifestemos toda a nossa proximidade para com estes nossos irmãos e irmãs que tanto precisam da nossa solidariedade”, acrescentam os bispos da Guiné-Bissau.

As dioceses de Bissau e Bafatá formam uma conferência episcopal com as dioceses do Senegal, Mauritânia, Cabo-Verde e em conjunto publicaram uma exortação para a Quaresma 2017 sobre o tema “O matrimónio cristão: riquezas, exigências, missão”.

Para os bispos desta região africana, o matrimónio cristão “é o contrato mais audacioso que existe, e também o mais maravilhoso!”

No documento enviado à Agência ECCLESIA, o episcopado afirma que o matrimónio é uma aliança entre um homem e uma mulher, sublinha a necessidade de preparação adequada, remota, próxima e imediata, e o necessário “acompanhamento através da comunidade cristã”.

“O acompanhamento fundamenta seu significado e eficácia na presença de Jesus no coração do próprio matrimónio, como nas bodas de Caná”, escrevem os bispos.

“Porque Jesus está com eles, eles podem recorrer a ele quando a atração inicial esfria e a rotina se instala. Jesus pode mudar a água da rotina em vinho novo, oferecendo aos esposos um amor mais maduro, construído com base na oração, na compreensão recíproca, no conhecimento mútuo e no perdão”, acrescenta o documento.

PR

Partilhar:
Share