«Somos chamados a empenhar-nos para que não existam mais muros que nos separem, nem existam mais os outros» – Cónego Jacinto Bento

Foto: Lusa

Angra do Heroísmo, Açores, 30 jul 2021 (Ecclesia) – O diretor do Serviço Diocesano para a Mobilidade Humana de Angra incentiva a Igreja e a sociedade açoriana à oração e que todos contribuam para uma melhor integração dos migrantes, no âmbito da Semana Nacional dos Migrantes 2021.

“A mensagem que deixo aos migrantes que residem nos Açores e aos emigrantes que não podem participar neste tempo de pandemia é que cada um de nós, as famílias, as comunidades, a Igreja, a sociedade, as instituições políticas e governamentais, se tornem cada vez mais inclusivos”, disse o cónego Jacinto Bento, ao sítio online ‘Igreja Açores’.

A 49ª Semana Nacional dos Migrantes, promovida pela Igreja Católica em Portugal, tem como tema ‘Rumo a um nós cada vez maior’, e vai realizar-se de 8 a 15 de agosto, do programa destaca-se a peregrinação ao Santuário de Fátima, dias 12 e 13, e a jornada de solidariedade com a mobilidade humana, no último dia desta semana especial.

O diretor do Serviço Diocesano para a Mobilidade Humana de Angra, e pároco em São Pedro, Angra do Heroísmo, assinala que vão estar “unidos pelo coração” e vão acompanhar a peregrinação “pelos meios de comunicação social”.

“Estamos todos no mesmo barco e somos chamados a empenhar-nos para que não existam mais muros que nos separem, nem existam mais os outros, mas só um nós, do tamanho da humanidade inteira e que deixem de existir periferias existenciais para os estrangeiros, os emigrantes, os marginalizados”, desenvolveu o cónego Jacinto Bento.

Segundo a Associação de Imigrantes dos Açores (AIPA) legalizaram-se 4,9% dos migrantes residentes e 500 apresentaram manifestações de interesse, em 2019 e 2020, e existiam 4090 migrantes residentes, de 97 nacionalidades: 802 brasileiros, 501 alemães, 343 chineses, 289 dos Estados Unidos e 283 do Reino Unido.

No contexto da 49ª Semana Nacional de Migrações, a Obra Católica Portuguesa das Migrações quer “mapear a ação da Igreja” no apoio aos migrantes e refugiados, através da metodologia dos “4 R”: rostos, rotas, raízes e recursos.

A Peregrinação Nacional do Migrante e Refugiado no Santuário de Fátima vai ser presidida pelo cardeal Jean-Claude Höllerich, arcebispo do Luxemburgo e presidente da Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia (COMECE).

A Igreja Católica vai assinalar o 107.º Dia Mundial do Migrante, a 26 de setembro, e o Papa Francisco escolheu como tema ‘Rumo a um “nós” cada vez maior’.

CB

Partilhar:
Share