Cónego Adriano Borges salienta que «ponto alto» é a Eucaristia e a procissão, «com a presença de todo o povo», no domingo

Foto Agência ECCLESIA/PR, cónego Adriano Borges

Ponta Delgada, Açores, 20 mai 2022 (Ecclesia) – O reitor do Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres, em Ponta Delgada, na Diocese de Angra, disse que “todos” desejam e anseiam, “passados dois anos de pandemia”, celebrar “uma festa grandiosa” que começa hoje.

“Passados dois anos em que não tivemos a possibilidade dessa manifestação pública tão grandiosa como é a festa em honra do Senhor Santo Cristo dos Milagres temos possibilidade de sair à rua, de celebramos a nossa fé de uma forma mais presente”, explicou hoje o cónego Adriano Borges, no Programa ECCLESIA, transmitido hoje na RTP2.

“É o que todos desejamos e ansiamos passados dois anos de pandemia, e será certamente para os Açores, e para a ilha de São Miguel em particular, uma festa grandiosa”, acrescentou o sacerdote, recordando que, nos últimos dois anos, as festas “limitaram-se a celebrações televisivas, quase encerrados dentro do Convento da Esperança”.

O reitor do Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres, em Ponta Delgada, na Ilha de São Miguel, explica que esperam muitas pessoas e salienta que os emigrantes açorianos “já estão a chegar e em quantidades grandes”.

As pessoas, segundo o cónego Adriano Borges, têm “muitas coisas para agradecer” ao Senhor Santo Cristo dos Milagres e começa por destacar a oportunidade de fazer novamente a festa e de estarem todos juntos.

“Darmos graças por este tempo de pandemia, que ainda temos algumas incertezas, mas será oportunidade de agradecermos tudo o que aconteceu”, realçou.

O reitor do Senhor Santo Cristo dos Milagres revela que gostava de dar um “cunho de maior intimidade com o Senhor Jesus, de maior serenidade”, e, por isso, destaca que vão ter “bastantes momentos de oração, de encontro”, duas vigílias noturnas, e vão pedir e rezas pelo fim da guerra, “a necessidade que a paz venha novamente para o mundo, não só por causa da Ucrânia mas também outros focos de guerra que existem pelo mundo fora”.

“O ponto mais alto será a Eucaristia de domingo e a procissão que percorre grande parte das artérias da nossa cidade com a presença de todo o povo”, acrescentou, sobre a festa que vai ser presidida pelo cardeal D. José Tolentino Mendonça, arquivista e bibliotecário da Santa Sé.

As “grandes festas” do Senhor Santo Cristo dos Milagres começam esta sexta-feira e terminam na segunda-feira, dia 23 de maio, no Convento de Nossa Senhora da Esperança, junto ao Campo de São Francisco e da igreja de São José, em Ponta Delgada.

Para o futuro, o cónego Adriano Borges destacou que um dos projetos a longo prazo no santuário é “receber as pessoas” que vão para São Miguel realizar tratamentos, “sobretudo tratamentos oncológicos”, e “não têm nem família, nem amigos”, por isso vão criar um espaço de acolhimento no convento, e pretendem iniciar uma fase das obras depois das festas.

PR

Partilhar:
Share