Cruz e Ícone de Nossa Senhora terminaram a presença nas nove ilhas, este domingo, e vão iniciar o itinerário na Diocese de Lamego

Ponta Delgada, Açores, 27 jun 2022 (Ecclesia) – Os jovens da Diocese de Angra afirmam que a passagem dos símbolos da Jornada Mundial da Juventude nas nove ilhas dos Açores “não é um facto para a história”, antes uma “mudança de página” na igreja diocesana.

“A passagem dos símbolos é uma experiência muito motivadora para os jovens dos Açores e não é um facto para a história, mas deve significar uma mudança de página no dinamismo de Igreja”, afirmaram os jovens de Ponta Delgada à reportagem da Agência ECCLESIA.

Os símbolos da Jornada Mundial da Juventude peregrinaram nas nove ilhas dos Açores durante o mês de junho, encerrando a presença no arquipélago este domingo com uma Missa no Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres, em Ponta Delgada, presidida por D. Américo Aguiar.

A Cruz Peregrina e o Ícone de Nossa Semhora chegaram Campo de São Francisco, diante do Santuário do Senhor Santo Cristo, ao som da fanfarra dos escuteiros e transportados por romeiros de S. Miguel.

Na homilia da Missa, D. Américo Aguiar, presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023 lembrou as qualidades dos jovens e desafiou-os a “ter a capacidade de sonhar”.

“Temos jovens muito bons, mas também, por vezes, a tentação do patinho feio, de nos desvalorizarmos. Nós somos bons mas temos de ter a capacidade de sonhar como pede o Papa, sonhar alto e grande”, afirmou o bispo auxiliar de Lisboa.

Perante a dimensão festiva que se experimentava na celebração, D. Américo Aguiar pediu aos jovens das ilhas dos Açores para não “quebrar o ânimo”.

“Não deixem quebrar o ânimo nem o movimento, temos que manter viva a chama”, afirmou, acrescentando que Lisboa, em agosto de 2023, pode acolher os mais de 50 mil jovens do arquipélago.

O presidente da Fundação JMJ agradeceu à equipa do Comité Organizador Diocesano (COD) da Diocese de Angra, liderada pelo padre Norberto Brum, a dinamização da peregrinação dos símbolos nas 9 ilhas dos Açores.

Nos momentos iniciais, foi acesa uma vela por cada ilha do arquipélago, simbolizando as nove realidades visitadas pela Cruz Peregrina e o Ícone de Nossa Senhora.

A Missa de encerramento da peregrinação dos símbolos foi presidida por D. Américo Aguiar, presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023, e concelebrada pelo concelebrada pelo administrador diocesano, cónego Hélder Fonseca, e pelo ouvidor de Ponta Delgada, cónego José Medeiros Constância, e outros sacerdotes.

A peregrinação dos símbolos da Jornada Mundial da Juventude, no itinerário pelas dioceses de Portugal, vai continuar na Diocese de Lamego, onde a Cruz Peregrina e o Ícone de Nossa Senhora chegam no sábado, dia 2 de julho, quando se assinala também a Jornada Diocesana da Juventude, em São Domingos, Fontelo (Zona Pastoral de Armamar).

HM/PR

Partilhar:
Share