«A longa solidão – autobiografia Dorothy Day», leva-nos a conhecer o percurso de uma jornalista americana, ativista, convertida ao catolicismo, durante a sua vida. Nestas páginas conhecemos a sua confissão, escrita pelas suas palavras o itinerário de vida que a levou a encontrar Jesus nos mais pequenos, pobres e famintos e que a levou a criar uma rede de casas de acolhimento e jornais que abrangia todo o território dos EUA, cujo objetivo era alimentar os famintos e acolher os pobres, os vulneráveis, os doentes e os necessitados, no espírito da caridade cristã.
A professora Joana Rigato, apresenta em conversa com o jornalista Paulo Rocha, a defensora dos pobres na cidade de Nova Iorque na década de 30 do século XX.

Partilhar:
Share