Aproxima-se a Semana Nacional de Migrações. Em Agosto a Igreja volta-se para os seus imigrantes e durante uma semana reflecte sobre “Família: Santuário de Vida, Amor e Identidade”. A Obra Católica Portuguesa de Migrações celebra 45 anos. Recentemente a OCPM deu conta dos números que envolve este trabalho com a “pastoral portuguesa”. 123 sacerdotes (37 na Europa, 4 em África, 77 na América, 5 na Ásia e Oceânia), 30 religiosas (22 na Europa e 8 em África) e 22 diáconos permanentes (7 na Europa, 15 na América) espalhados pelo mundo trabalham junto das comunidades, ajudados por 30 assistentes pastorais formados em teologia (dos quais 19 na Europa). Além destes operadores portugueses ou lusodescendentes cresce o número de sacerdotes de outras nacionalidades que acompanham as Comunidades no espírito de universalidade e cooperação missionária que caracteriza a acção da Igreja. Actualmente a Comissão Episcopal da Mobilidade Humana, após o levantamento nacional de 2006, tem conhecimento da existência de várias capelanias/centros ao serviço da fé dos imigrantes cristãos em Portugal: 12 sacerdotes (para 9 capelanias católicas linguísticas de rito latino); 7 sacerdotes, dos quais 3 casados (para 5 capelanias católicas linguísticas de rito oriental); e 10 sacerdotes, dos quais 2 celibatários (para 8 capelanias linguísticas ortodoxas). Também a nível das comunidades evangélicas surgiram ultimamente, sobretudo nas grandes cidades, estruturas de maior acompanhamento da fé. Em tempo de aniversário, a OCPM, num comunicado enviado à Agência ECCLESIA, dá conta de alguns testemunhos sobre a acção da OCPM, disponíveis no link em baixo. Notícias relacionadas Presentes da História – alguns testemunhos

Partilhar:
Share