Assembleia Plenária do episcopado começou hoje em Fátima

Foto Agência ECCLESIA/PR

Fátima, 25 abr 2022 (Ecclesia) – O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) afirmou hoje que o 25 de Abril significou uma “mudança fundamental de rumo” em Portugal e, valorizando “os passos dados”, disse que o ideal de abril permanece como “meta a alcançar”.

“Embora o ideal de Abril permaneça ainda, em muitos aspetos, como meta a alcançar, é importante sublinhar os passos dados na construção de um país baseado nos valores da dignidade e da abertura sem preconceitos aos outros povos e culturas, como terreno sólido para colaborar na construção de um futuro de real fraternidade, solidariedade e paz para toda a humanidade”, afirmou D. José Ornelas.

No discurso de abertura da Assembleia Plenária, o presidente da CEP evocou o 48º aniversário do 25 de Abril, que hoje se assinala, lembrando o fim da “submissão e revolta” de países que estavam ligados a Portugal, nessa ocasião.

“Iniciamos esta Assembleia no dia celebrativo do 48.º aniversário do 25 de Abril, que significou uma mudança fundamental de rumo do nosso país e dos outros países que estavam a nós ligados em atitude de submissão e revolta e que hoje são nossos parceiros por convicção e interesse mútuo, na criação de um mundo de dignidade e de colaboração entre os diferentes povos desta terra”, disse D. José Ornelas, em Fátima, onde decorre a Assembleia Plenária dp episcopado até à próxima quinta-feira.

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa referiu-se também aos trabalhos na Assembleia Plenária, onde a preparação da Jornada Mundial da Juventude integra a agenda nas últimas sessões.

“Apesar das dificuldades da situação mundial, esperamos que este evento, que está a ser preparado em diálogo e com o contributo do Governo e das Câmaras de Lisboa e de Loures, possa ser um momento especial de encontro mundial da juventude, organizado pela Igreja católica e aberto aos jovens de todas as opções religiosas”, afirmou.

Sobre o processo de escuta do caminho sinodal,  que está na sua etapa diocesana, o presidente da CEP disse que “será objeto de reflexão da Conferência Episcopal, no próximo mês de junho, buscando juntos os caminhos da sinodalidade para a Igreja em Portugal”.

“O resultado desse processo nacional será encaminhado, em seguida, para um idêntico caminho a nível europeu, antes de se integrar no documento preparatório da Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos, que terá lugar em Roma, em outubro de 2023”, acrescentou.

D. José Ornelas disse ainda que estarão em análise na Assembleia Plenária dois documentos: “Itinerário de iniciação à vida cristã com as famílias, com as crianças e com os adolescentes” e “Ministérios laicais para uma Igreja ministerial”.

Na sessão de abertura da 202.ª Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Portuguesa, D. José Ornelas saudou “de modo especial” os bispos que assumiram novas missões dentro da Igreja em Portugal, nomeadamente D. João Lavrador, bispo de Viana do Castelo desde 28 de novembro de 2021, D. José Cordeiro, arcebispo de Braga desde 13 de fevereiro de 2022 e o próprio presidente da CEP, bispo de Leiria-Fátima desde 13 de março de 2022, assim como os administradores diocesanos da Diocese de Angra, Bragança-Miranda e Setúbal, que participam na reunião.

PR

Palavras de Abertura da 202.ª Assembleia plenária da CEP (c/vídeo)

Partilhar:
Share