D. Rui Valério presidiu a celebração, nos Jerónimos, assinalando Dia do Anjo de Portugal

Lisboa, 10 jun 2021 (Ecclesia) – O bispo das Forças Armadas e de Segurança presidiu hoje à Missa do dia do Santo Anjo da Guarda de Portugal, evocando no Mosteiro dos Jerónimos todos os que perderam a vida pelo país.

“Neste dia de memória aos heroicos combatentes portugueses, a nossa homenagem dirige-se, em primeiro lugar, àqueles que representam a nossa vocação, humana e lusa, de pessoas livres, que se sentem interpeladas pela história e pela vida a responder e a combater contra o mal, e contra tudo o que atropela a dignidade do ser humano”, referiu D. Rui Valério, na homilia da celebração, enviada à Agência ECCLESIA.

O responsável sublinhou que está em causa o combate destinado a “defender os valores e a vida, seja para alcançar e realizar os ideais e horizontes de excelência para a humanidade”.

“O combatente foi e é alguém que sente os outros, os irmãos, a sua Pátria, o seu país, os seus camaradas. Por isso, estando a cultura dominante de hoje assente num exacerbado individualismo, onde cada um vive preferencialmente fechado em si próprio, a figura do combatente coloca em crise tal cultura”, destacou.

D. Rui Valério recordou o papel desempenhado pelas Forças Armadas durante a pandemia, lutando em defesa da vida dos portugueses.

“Eleva-se o nosso louvor em modo de reconhecimento pelo dom daqueles que, embebidos da vocação a serem tudo para Deus e pelos irmãos, geraram nos portugueses um sentimento de amparo”, observou.

No Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, liturgicamente celebra-se o Santo Anjo da Guarda de Portugal.

“Em Portugal a devoção ao Anjo da Guarda é muito antiga. Tomou, porém, um incremento especial com as Aparições do Anjo, em Fátima, aos Pastorinhos. Pio XII mandou inserir esta comemoração no nosso calendário”, informa o Secretariado Nacional da Liturgia.

No Funchal, onde presidiu às cerimónias oficiais do 10 de junho, Marcelo Rebelo de Sousa condecorou esta manhã o Estado-Maior-General das Forças Armadas e os estados-maiores de cada um dos três ramos, Armada, Exército e Força Aérea, com as insígnias de membro honorário da Ordem Militar de Cristo.

OC

Partilhar:
Share