Em toda a Europa, celebramos hoje, dia 1 de Maio, o Dia do Trabalhador.

124 anos depois da luta incansável pelas 8 horas diárias de trabalho e da brutal repressão patronal e policial que se abateu sobre os operários de Chicago, o 1º de Maio mantém todo o seu significado e actualidade.

Todos os dias, os jovens são confrontados com situações de desemprego, contratos laborais precários, instabilidade laboral, trabalho a recibos verdes, baixos salários, pressões exacerbadas por parte das entidades patronais, perda de direitos e más condições de trabalho que põem em causa a sua segurança. Estas situações ferem a dignidade dos jovens e não lhes permitem planear e encarar o seu futuro com serenidade. Existe um sentimento de frustração, os jovens não se sentem realizados no que fazem e isso reflecte-se quer no trabalho quer na família.

Números divulgados pelo EUROSTAT em Julho de 2009 salientam: a taxa de desemprego entre os jovens europeus com idades entre os 15 e os 24 anos aumentou para 18,3 por cento. Nesta altura, já existiam cinco milhões de jovens sem trabalho nos 27 países da União Europeia.

Os jovens trabalhadores, as novas gerações, são seres humanos com dignidade e têm direito a uma vida melhor, não podem ser peças descartáveis ao sabor do lucro. A Europa não pode correr o risco de perder todo o potencial dos jovens trabalhadores. É urgente inverter esta realidade que “desperdiça” a juventude. Os jovens precisam de oportunidades de autonomia, emancipação e capacitação, para que o desenvolvimento e o crescimento das sociedades estejam garantidos.

Neste contexto, a luta por um trabalho digno, de qualidade e com direitos é essencial, para que se possa construir uma Europa mais justa e mais solidária para todos. Cada jovem trabalhador deve tomar consciência da sua dignidade e da importância que tem preservá-la. Contestar de forma individual, não é a melhor solução. É importante a mobilização dos colegas de trabalho para a luta que é para o bem de todos.

Nesse sentido, os jovens dos movimentos europeus da JOC decidiram lançar hoje uma Campanha Europeia sobre a Dignidade dos Jovens Trabalhadores, que se vai prolongar durante os próximos dois anos. Vamos para a rua com a convicção daquilo em que acreditamos, num desenvolvimento económico e social centrado na pessoa e na dignidade humana e comprometido com a juventude, através de estratégias que promovam, efectivamente, o trabalho digno.

Já em 1999, a OIT caracterizava um trabalho decente/digno com vários elementos: a possibilidade de exercer um trabalho produtivo e de auferir, por ele, um salário justo; segurança no trabalho e protecção social para as famílias; melhores perspectivas de desenvolvimento pessoal e integração social; igualdade de oportunidades; liberdade para emitirem as suas opiniões, se organizarem e participarem nas decisões que afectam as suas vidas.

Neste dia tão importante, a JOC não podia deixar de relembrar, em nome da dignidade humana, as palavras de Cardijn: “ Cada jovem trabalhador vale mais que todo o ouro do mundo, porque é Filho de Deus”.

CIJOC – ICYCW: www.cijoc.org/www.icycw.org

Partilhar:
Share