Lisboa, 03 mai 2019 (Ecclesia) – O Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC), da Conferência Episcopal Portuguesa, vai distinguir e apoiar financeiramente um cineasta português, no festival de cinema independente ‘IndieLisboa’ com o prémio ‘Árvore da Vida’.

Na informação enviada à Agência ECCLESIA, o SNPC informa que a sessão de entrega de prémios está marcada para o dia 11 de maio, às 23h00, na garagem da Culturgest; o prémio ‘Árvore da Vida’, no valor de 2 mil euros, vai ser entregue a um dos filmes selecionados pela organização para a Competição Nacional.

A 16.ª edição do ‘IndieLisboa’ propõe mais de 270 filmes, 53 são portugueses, todos em estreia nacional, que podem ser vistos nos cinemas São Jorge e Ideal, Culturgest e Cinemateca Portuguesa.

O prémio vai ser concedido a um filme que privilegie valores “espirituais e humanistas”, a par das qualidades cinematográficas da obra, e também pode ser entregue uma menção honrosa.

O Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura explica que procura “sensibilizar os agentes da evangelização para a linguagem da Sétima Arte”, continuando a relação de décadas que a Igreja católica tem estabelecido com o cinema.

A cineasta e professora de cinema Inês Gil é a presidente do júri deste ano que conta com a docente e investigadora na área dos Estudos de Cultura Inês Espada Vieira, e o padre Vítor Gonçalves, referente da Pastoral da Cultura no Patriarcado de Lisboa.

O ‘IndieLisboa’ começou esta quinta-feira e os jurados iniciam o visionamento dos filmes esta sexta-feira, “marcando presença nas doze sessões que lhes foram determinadas”: Sete longas-metragens e blocos de curtas-metragens, “num contínuo de exibições que termina na próxima quinta-feira”, dia 9 de maio.

As ficções e documentários das longas-metragens a concurso são “A Minha Avó Trelotótó” (Catarina Ruivo), “Alva” (Ico Costa), “Campo” (Tiago Hespanha), “Mar” (Margarida Gil), “Sacavém” (Júlio Alves), “Tragam-me a cabeça de Carmen M.” (Catarina Wallenstein, Felipe Bragança) e “Tristeza e alegria na vida das girafas” (Tiago Guedes).

Na edição anterior do ‘IndieLisboa’, em 2018, o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura atribuiu o prémio ‘Árvore da Vida’ a “Russa” – um documentário-ficção de 20 minutos realizado no Bairro do Aleixo, Porto, dos cineastas João Salaviza e Ricardo Alves Jr., e uma menção honrosa a “Bostofrio, où le ciel rejoint la terre”, de Paulo Carneiro, sendo que o júri foi presidido pelo agora arcebispo D. José Tolentino Mendonça.

Das atividades futuras do organismo da Conferência Episcopal Portuguesa destaque também para a sua jornada nacional 2019, sobre a condição da mulher na sociedade e na Igreja, onde vai ser entregue o Prémio ‘Árvore da Vida/Padre Manuel Antunes’ ao historiador José Mattoso, no dia 1 de junho.

CB

Partilhar:
Share