Cidade do Vaticano, 02 mai 2020 (Ecclesia) – O Comité para a Fraternidade Humana convida “todas as pessoas, em todo o mundo, a dirigir-se a Deus rezando, suplicando, jejuando, praticando obras de misericórdia”, a 14 de maio, num dia dedicado à humanidade.

“Cada pessoa, em todas as partes do mundo, segundo sua religião, fé ou doutrina, para que Ele elimine essa epidemia, nos salve desta aflição, ajude os cientistas a encontrar um remédio que a derrote”, explica o Comité para a Fraternidade Humana.

Na informação divulgada pelo sítio online ‘Vatican News’, o Comité para a Fraternidade Humana acrescenta que vão “dirigir-se a Deus” para que “liberte o mundo das consequências sanitárias, económicas e humanitárias da propagação desse contágio grave” do novo coronavírus Covid-19.

A mensagem ‘Rezar pela humanidade’, divulgada este sábado, é dirigida aos “irmãos que acreditam em Deus criador e aos irmãos em humanidade onde quer que estejam” e convida os líderes religiosos e pessoas de todo o mundo à oração no próximo dia 14 de maio.

“Nosso mundo enfrenta hoje um grave perigo que ameaça a vida de milhões de pessoas em todo o planeta, a rápida disseminação do coronavírus (Covid-19). Enquanto confirmamos a importância do papel dos médicos e da pesquisa científica no combate a essa epidemia, não esqueçamos de nos dirigir a Deus Criador nesta grave crise”, desenvolve o Comité para a Fraternidade Humana, divulga o Vatican News.

S.S. Francesco – 2019.02.03 Viaggio Apostolico Emirati Arabi Uniti
04-02-2019 Incontro Interreligioso presso il Founder’s Memorial

A 26 de agosto de 2019, o Papa saudou a criação do “Comité Superior” que vista a desenvolver os conteúdos da declaração inédita sobre ‘Fraternidade Humana em prol da paz mundial e da convivência comum’, subscrita por Francisco e pelo grande imã de Al-Azhar – a mais conceituada instituição teológica e de instrução religiosa do Islão sunita, a 4 fevereiro do ano passado, nos Emirados Árabes Unidos.

Católicos e muçulmanos assumem que as religiões “nunca devem incitar a guerra, atitudes de ódio, hostilidade e extremismo”, nem devem incitar à violência ou ao derramamento de sangue.

O organismo é formado pelo cardeal e presidente do Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, D. Miguel Ángel Ayuso Guixot, pelo presidente da Universidade de Al-Azhar, o professor Mohamed Hussein Mahrasawi, pelo secretário pessoal do Papa Francisco, D. Yoannis Lahzi Gaid; pelo conselheiro do grande imã, o juiz Mohamed Mahmoud Abdel Salam; pelo presidente do Departamento de Cultura e Turismo de Abu Dhabi, Mohamed Khalifa Al Mubarak; pelo secretário-geral do Conselho Muçulmano dos Idosos, Sultan Faisal Al Rumaithi; pelo escritor e representante dos media árabe, Yasser Hareb Al Muhairi, e o rabino Bruce Lustig.

CB

 

Partilhar:
Share