Calendário

[wcp-carousel id=”90845″]

Out
19
Sáb
Portalegre: Irmão David no encontro diocesano de Taizé
Out 19 todo o dia

Portalegre, 25 set 2019 (Ecclesia) – Na localidade de Constância (Diocese de Portalegre – Castelo Branco) vai realizar-se, dia 19 de outubro, o encontro diocesano de Taizé que conta com a presença do irmão David.

No encontro (para jovens com mais de 14 anos e famílias cristãs) conta com a presença do irmão David (elemento da Comunidade de Taizé – França) e será feita a apresentação da nova diretora do Secretariado da Pastoral da Juventude e Vocações, refere uma nota enviada à Agência ECCLESIA.

A atividade começa às 10h00 e durante a noite haverá uma vigília para a comunidade de Constância.

LFS

Out
20
Dom
Igreja/Missões: Homenagem a D. António Barroso em Cernache do Bonjardim
Out 20 todo o dia

Cernache do Bonjardim, 19 set 2019 (Ecclesia) – O bispo português, D. António Barroso (1854-1918), vai ser homenageado, dia 20 de outubro, na localidade de Cernache do Bonjardim (Diocese de Portalegre-Castelo Branco) com o descerramento de uma estátua em bronze.

Na estátua comemorativa – está a ser feita numa fundição em Vila Nova de Gaia – D. António Barroso aparece “com uma enxada na mão e uma cruz na outra”, disse à Agência ECCLESIA o vice-postulador da causa de canonização de D. António Barroso, Amadeu Araújo.

No monumento que fica localizado em frente ao Seminário das Missões em Cernache do Bonjardim vão ficar também inscritos os nomes dos 320 padres que saíram daquele seminário para as missões.

D. António Barroso, considerado como o “Bispo dos Pobres”, foi um dos frequentadores do Colégio das Missões Ultramarinas em Cernache, criado em 1856 por Sá da Bandeira e encerrado em 1912 por Afonso Costa.

Entre estas datas a casa foi frequentada por cinco mil homens e desses foram ordenados 320 padres.

Na sessão comemorativa vão estar presentes os bispos portugueses.

LFS

Porto: D. António Barroso pode vir a ser declarado «missionário modelo»

 

Out
27
Dom
Portalegre: Jornada Missionária e apresentação do Plano Pastoral
Out 27 todo o dia

Portalegre, 11 out 2019 (Ecclesia) – O encerramento do mês missionário na Diocese de Portalegre – Castelo Branco realiza-se a 27 deste mês com uma jornada e a apresentação do Plano Pastoral para 2019/20.

Esta atividade diocesana decorre na Sé de Portalegre e é presidida por D. Antonino Dias, Bispo de Portalegre – Castelo Branco, refere uma nota enviada à Agência ECCLESIA.

LFS

Algarve: Diocese dinamiza testemunhos sobre a Jornada Mundial da Juventude 2019
Out 27@21:00

Faro, 27 fev 2019 (Ecclesia) – Os jovens da Diocese do Algarve que participaram na Jornada Mundial da Juventude (JMJ) no Panamá começam hoje, um mês depois desse encontro, a dar testemunho dessa vivência num périplo mensal por todas as paróquias.

Na informação enviada hoje à Agência ECCLESIA, o ‘Folha do Domingo’ adianta que os participantes algarvios da JMJ 2019 começam “encontros mensais de testemunho” do que foi a sua experiência, um mês após o final do encontro no Panamá.

O primeiro encontro, esta noite, realiza-se na igreja matriz da Paróquia de Vila Real de Santo António, e o jornal diocesano  indica que os encontros vão realizar-se mensalmente, sempre no dia 27, pelas 21h00, até de janeiro de 2020.

O próximo encontro é Olhão (abril), Faro (maio), Quarteira (junho), Loulé (julho), Ferreiras (agosto), Portimão (setembro), Paderne (outubro), Silves (novembro) e Monchique (dezembro), e terminam com um encontro diocesano na Sé de Faro (janeiro 2020).

Os encontros mensais vão ter um momento de ambientação, uma catequese sobre um tema da Doutrina Social da Igreja, um testemunho de um participante na JMJ e por um momento de oração, baseado na vida de um dos oito santos patronos da JMJ, com adoração ao Santíssimo Sacramento.

A JMJ realizou-se pela primeira vez na América Central, mais concretamente na Cidade do Panamá, onde estiveram 25 jovens do Algarve, onde também se contava um casal, de nove paroquias – Silves (9), Paderne (4), Quarteira (3), São Pedro de Faro (2), Ferreiras (3), Portimão (1), Tavira (1), Loulé (1) e Olhão (1) – para além do assistente do Setor Diocesano da Pastoral Juvenil, o padre Nelson Rodrigues, e mais dois sacerdotes, Tiago Veríssimo, pároco de Monchique, e Adelino Ferreira, pároco de Vila Real de Santo António.

O jornal ‘Folha do Domingo’ realça ainda que todos os participantes já deram testemunho da JMJ 2019 em Eucaristias nas suas paróquias de origem após o regresso do Panamá.

‘Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua Palavra’ foi o tema do 34.º encontro mundial de jovens que terminou há um mês, a 27 de janeiro, e foi presidido pelo Papa Francisco.

Na Missa de encerramento do encontro foi anunciado que a próxima edição internacional realiza-se em Portugal, mais concretamente no Patriarcado de Lisboa, em 2022.

Estiveram no Panamá, 300 portugueses de 12 dioceses e de seis congregações e movimentos, seis bispos e 30 voluntários.

As JMJ nasceram por iniciativa de São João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude; são um acontecimento religioso e cultural que reúne jovens de todo o mundo durante uma semana.

Cada JMJ realiza-se, anualmente, a nível diocesano no Domingo de Ramos, alternando com um encontro internacional a cada dois ou três anos numa grande cidade: em 1987, Buenos Aires (Argentina); em 1989, Santiago de Compostela (Espanha); em 1991, Czestochowa (Polónia); em 1993 em Denver (EUA); em 1995, Manila (Filipinas); em 1997, Paris (França); em 2000, Roma (Itália); em 2002, Toronto (Canadá); em 2005, Colónia (Alemanha); em 2008, Sidney (Austrália); em 2011, Madrid (Espanha); Rio de Janeiro (Brasil), em 2013; e Cracóvia (Polónia), em 2016.

CB

[Notícia atualizada a 1 de março]

Nov
3
Dom
Setúbal: Cantata a Cristo Rei executada na Fundação Calouste Gulbenkian
Nov 3@21:00_22:00

Setúbal, 17 out 2019 (Ecclesia) – No âmbito da celebração dos 60 anos do Santuário de Cristo Rei (Almada) vai executar-se, dia 03 de novembro, às 21h00, na Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa), uma cantata com a participação de 10 coros.

A cantata já foi apresentada em Fátima e em Almada e conta com a participação de 10 coros, entre eles o coro “Lisboa Cantat e a orquestra Sinfonietta de Lisboa”, realça uma nota enviada à Agência ECCLESIA.

A cantata a Cristo Rei, com letra do bispo D. Carlos Azevedo, delegado do Conselho Pontifício da Cultura, e música do Cónego Ferreira dos Santos, assinala os 60 anos do santuário homónimo voltado para a cidade de Lisboa.

A obra, com a duração de uma hora, será apresentada por um coro de 340 vozes e quatro solistas, acompanhados por uma orquestra de 50 elementos.

LFS

Nov
27
Qua
Algarve: Diocese dinamiza testemunhos sobre a Jornada Mundial da Juventude 2019
Nov 27@21:00

Faro, 27 fev 2019 (Ecclesia) – Os jovens da Diocese do Algarve que participaram na Jornada Mundial da Juventude (JMJ) no Panamá começam hoje, um mês depois desse encontro, a dar testemunho dessa vivência num périplo mensal por todas as paróquias.

Na informação enviada hoje à Agência ECCLESIA, o ‘Folha do Domingo’ adianta que os participantes algarvios da JMJ 2019 começam “encontros mensais de testemunho” do que foi a sua experiência, um mês após o final do encontro no Panamá.

O primeiro encontro, esta noite, realiza-se na igreja matriz da Paróquia de Vila Real de Santo António, e o jornal diocesano  indica que os encontros vão realizar-se mensalmente, sempre no dia 27, pelas 21h00, até de janeiro de 2020.

O próximo encontro é Olhão (abril), Faro (maio), Quarteira (junho), Loulé (julho), Ferreiras (agosto), Portimão (setembro), Paderne (outubro), Silves (novembro) e Monchique (dezembro), e terminam com um encontro diocesano na Sé de Faro (janeiro 2020).

Os encontros mensais vão ter um momento de ambientação, uma catequese sobre um tema da Doutrina Social da Igreja, um testemunho de um participante na JMJ e por um momento de oração, baseado na vida de um dos oito santos patronos da JMJ, com adoração ao Santíssimo Sacramento.

A JMJ realizou-se pela primeira vez na América Central, mais concretamente na Cidade do Panamá, onde estiveram 25 jovens do Algarve, onde também se contava um casal, de nove paroquias – Silves (9), Paderne (4), Quarteira (3), São Pedro de Faro (2), Ferreiras (3), Portimão (1), Tavira (1), Loulé (1) e Olhão (1) – para além do assistente do Setor Diocesano da Pastoral Juvenil, o padre Nelson Rodrigues, e mais dois sacerdotes, Tiago Veríssimo, pároco de Monchique, e Adelino Ferreira, pároco de Vila Real de Santo António.

O jornal ‘Folha do Domingo’ realça ainda que todos os participantes já deram testemunho da JMJ 2019 em Eucaristias nas suas paróquias de origem após o regresso do Panamá.

‘Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua Palavra’ foi o tema do 34.º encontro mundial de jovens que terminou há um mês, a 27 de janeiro, e foi presidido pelo Papa Francisco.

Na Missa de encerramento do encontro foi anunciado que a próxima edição internacional realiza-se em Portugal, mais concretamente no Patriarcado de Lisboa, em 2022.

Estiveram no Panamá, 300 portugueses de 12 dioceses e de seis congregações e movimentos, seis bispos e 30 voluntários.

As JMJ nasceram por iniciativa de São João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude; são um acontecimento religioso e cultural que reúne jovens de todo o mundo durante uma semana.

Cada JMJ realiza-se, anualmente, a nível diocesano no Domingo de Ramos, alternando com um encontro internacional a cada dois ou três anos numa grande cidade: em 1987, Buenos Aires (Argentina); em 1989, Santiago de Compostela (Espanha); em 1991, Czestochowa (Polónia); em 1993 em Denver (EUA); em 1995, Manila (Filipinas); em 1997, Paris (França); em 2000, Roma (Itália); em 2002, Toronto (Canadá); em 2005, Colónia (Alemanha); em 2008, Sidney (Austrália); em 2011, Madrid (Espanha); Rio de Janeiro (Brasil), em 2013; e Cracóvia (Polónia), em 2016.

CB

[Notícia atualizada a 1 de março]

Dez
27
Sex
Algarve: Diocese dinamiza testemunhos sobre a Jornada Mundial da Juventude 2019
Dez 27@21:00

Faro, 27 fev 2019 (Ecclesia) – Os jovens da Diocese do Algarve que participaram na Jornada Mundial da Juventude (JMJ) no Panamá começam hoje, um mês depois desse encontro, a dar testemunho dessa vivência num périplo mensal por todas as paróquias.

Na informação enviada hoje à Agência ECCLESIA, o ‘Folha do Domingo’ adianta que os participantes algarvios da JMJ 2019 começam “encontros mensais de testemunho” do que foi a sua experiência, um mês após o final do encontro no Panamá.

O primeiro encontro, esta noite, realiza-se na igreja matriz da Paróquia de Vila Real de Santo António, e o jornal diocesano  indica que os encontros vão realizar-se mensalmente, sempre no dia 27, pelas 21h00, até de janeiro de 2020.

O próximo encontro é Olhão (abril), Faro (maio), Quarteira (junho), Loulé (julho), Ferreiras (agosto), Portimão (setembro), Paderne (outubro), Silves (novembro) e Monchique (dezembro), e terminam com um encontro diocesano na Sé de Faro (janeiro 2020).

Os encontros mensais vão ter um momento de ambientação, uma catequese sobre um tema da Doutrina Social da Igreja, um testemunho de um participante na JMJ e por um momento de oração, baseado na vida de um dos oito santos patronos da JMJ, com adoração ao Santíssimo Sacramento.

A JMJ realizou-se pela primeira vez na América Central, mais concretamente na Cidade do Panamá, onde estiveram 25 jovens do Algarve, onde também se contava um casal, de nove paroquias – Silves (9), Paderne (4), Quarteira (3), São Pedro de Faro (2), Ferreiras (3), Portimão (1), Tavira (1), Loulé (1) e Olhão (1) – para além do assistente do Setor Diocesano da Pastoral Juvenil, o padre Nelson Rodrigues, e mais dois sacerdotes, Tiago Veríssimo, pároco de Monchique, e Adelino Ferreira, pároco de Vila Real de Santo António.

O jornal ‘Folha do Domingo’ realça ainda que todos os participantes já deram testemunho da JMJ 2019 em Eucaristias nas suas paróquias de origem após o regresso do Panamá.

‘Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua Palavra’ foi o tema do 34.º encontro mundial de jovens que terminou há um mês, a 27 de janeiro, e foi presidido pelo Papa Francisco.

Na Missa de encerramento do encontro foi anunciado que a próxima edição internacional realiza-se em Portugal, mais concretamente no Patriarcado de Lisboa, em 2022.

Estiveram no Panamá, 300 portugueses de 12 dioceses e de seis congregações e movimentos, seis bispos e 30 voluntários.

As JMJ nasceram por iniciativa de São João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude; são um acontecimento religioso e cultural que reúne jovens de todo o mundo durante uma semana.

Cada JMJ realiza-se, anualmente, a nível diocesano no Domingo de Ramos, alternando com um encontro internacional a cada dois ou três anos numa grande cidade: em 1987, Buenos Aires (Argentina); em 1989, Santiago de Compostela (Espanha); em 1991, Czestochowa (Polónia); em 1993 em Denver (EUA); em 1995, Manila (Filipinas); em 1997, Paris (França); em 2000, Roma (Itália); em 2002, Toronto (Canadá); em 2005, Colónia (Alemanha); em 2008, Sidney (Austrália); em 2011, Madrid (Espanha); Rio de Janeiro (Brasil), em 2013; e Cracóvia (Polónia), em 2016.

CB

[Notícia atualizada a 1 de março]

Jan
27
Seg
Algarve: Diocese dinamiza testemunhos sobre a Jornada Mundial da Juventude 2019
Jan 27@21:00

Faro, 27 fev 2019 (Ecclesia) – Os jovens da Diocese do Algarve que participaram na Jornada Mundial da Juventude (JMJ) no Panamá começam hoje, um mês depois desse encontro, a dar testemunho dessa vivência num périplo mensal por todas as paróquias.

Na informação enviada hoje à Agência ECCLESIA, o ‘Folha do Domingo’ adianta que os participantes algarvios da JMJ 2019 começam “encontros mensais de testemunho” do que foi a sua experiência, um mês após o final do encontro no Panamá.

O primeiro encontro, esta noite, realiza-se na igreja matriz da Paróquia de Vila Real de Santo António, e o jornal diocesano  indica que os encontros vão realizar-se mensalmente, sempre no dia 27, pelas 21h00, até de janeiro de 2020.

O próximo encontro é Olhão (abril), Faro (maio), Quarteira (junho), Loulé (julho), Ferreiras (agosto), Portimão (setembro), Paderne (outubro), Silves (novembro) e Monchique (dezembro), e terminam com um encontro diocesano na Sé de Faro (janeiro 2020).

Os encontros mensais vão ter um momento de ambientação, uma catequese sobre um tema da Doutrina Social da Igreja, um testemunho de um participante na JMJ e por um momento de oração, baseado na vida de um dos oito santos patronos da JMJ, com adoração ao Santíssimo Sacramento.

A JMJ realizou-se pela primeira vez na América Central, mais concretamente na Cidade do Panamá, onde estiveram 25 jovens do Algarve, onde também se contava um casal, de nove paroquias – Silves (9), Paderne (4), Quarteira (3), São Pedro de Faro (2), Ferreiras (3), Portimão (1), Tavira (1), Loulé (1) e Olhão (1) – para além do assistente do Setor Diocesano da Pastoral Juvenil, o padre Nelson Rodrigues, e mais dois sacerdotes, Tiago Veríssimo, pároco de Monchique, e Adelino Ferreira, pároco de Vila Real de Santo António.

O jornal ‘Folha do Domingo’ realça ainda que todos os participantes já deram testemunho da JMJ 2019 em Eucaristias nas suas paróquias de origem após o regresso do Panamá.

‘Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua Palavra’ foi o tema do 34.º encontro mundial de jovens que terminou há um mês, a 27 de janeiro, e foi presidido pelo Papa Francisco.

Na Missa de encerramento do encontro foi anunciado que a próxima edição internacional realiza-se em Portugal, mais concretamente no Patriarcado de Lisboa, em 2022.

Estiveram no Panamá, 300 portugueses de 12 dioceses e de seis congregações e movimentos, seis bispos e 30 voluntários.

As JMJ nasceram por iniciativa de São João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude; são um acontecimento religioso e cultural que reúne jovens de todo o mundo durante uma semana.

Cada JMJ realiza-se, anualmente, a nível diocesano no Domingo de Ramos, alternando com um encontro internacional a cada dois ou três anos numa grande cidade: em 1987, Buenos Aires (Argentina); em 1989, Santiago de Compostela (Espanha); em 1991, Czestochowa (Polónia); em 1993 em Denver (EUA); em 1995, Manila (Filipinas); em 1997, Paris (França); em 2000, Roma (Itália); em 2002, Toronto (Canadá); em 2005, Colónia (Alemanha); em 2008, Sidney (Austrália); em 2011, Madrid (Espanha); Rio de Janeiro (Brasil), em 2013; e Cracóvia (Polónia), em 2016.

CB

[Notícia atualizada a 1 de março]