Calendário

[wcp-carousel id=”90845″]

Out
27
Dom
Viana do Castelo: Bispo destaca importância do «acolhimento» e «significado especial» da peregrinação diocesana a Fátima
Out 27 todo o dia

«Só em Igreja se pode ser cristão», afirmou D. Anacleto Oliveira numa mensagem à diocese

Agência Ecclesia/MC

Viana do Castelo, 17 out 2019 (Ecclesia) – O bispo de Viana do Castelo espera que a peregrinação diocesana ao Santuário de Fátima seja “uma vivência do acolhimento” e afirma que tem um “especial significado” ao realizar-se no início da ‘Semana da Diocese’, a 27 de outubro.

“Esta peregrinação faz parte do jubileu dos quarenta anos da criação da Diocese. Neste terceiro e último ano somos convidados ao acolhimento. Para isso recorremos à proteção de Nossa Senhora, padroeira principal da Diocese, sob o título de «Santa Maria Maior» – «Maior» no modo como nos acolhe e nos incentiva a acolher, enquanto Mãe”, escreveu D: Anacleto Oliveira, numa mensagem aos diocesanos que vão peregrinar à Cova da Iria.

No documento enviado hoje à Agência ECCLESIA, pela Diocese de Viana do Castelo, o seu bispo começa com a exclamação ‘temos Mãe!’, do Papa Francisco no Santuário de Fátima, pelo centenário das aparições, a 13 de maio de 2017.

“E repetiu: «Temos Mãe! Temos Mãe!». Não há dúvida: foi a maternidade de Maria que mais o atraiu a Fátima”, acrescenta o bispo de Viana de Castelo, explicando que pela “mesma razão” também peregrinam ao santuário, para encontrarem “com a Mãe do Céu que lá acolhe”.

“Queremos saborear o seu amor, para o partilhamos uns com os outros: com os companheiros de viagem; com os restantes diocesanos que para lá se deslocam; com peregrinos de outros lugares do País e do mundo. Acolhamo-los a todos, ao deixarmo-nos acolher por Maria, nossa Mãe querida”, desenvolveu.

Na mensagem para ser lida, em cada autocarro, no início da peregrinação, o bispo de Viana do Castelo salienta que foi com uma mensagem que se pode resumir nas palavras “oração e conversão” que Nossa Senhora se manifestou em Fátima.

Do programa da peregrinação destaca-se a recitação do Terço, às 10h00, na Capelinha das Aparições, e passado uma hora a Eucaristia no altar do recinto de oração, todas as celebrações vão ser presididas por D. Anacleto Oliveira, no próximo dia 27.

O bispo de Viana do Castelo explica que com esta iniciativa começa a Semana da Diocese em que procuram anualmente “aprofundar a consciência” de que são membros da “grande família cristã que é a diocese”.

“Só em Igreja se pode ser cristão. E se eu preciso da Igreja, de igual modo ela precisa de mim”, acrescenta.

Numa carta aos sacerdotes de Viana do Castelo, o bispo diocesano lembra que a peregrinação “começa já com a viagem até Fátima”, recomenda que os autocarros sejam identificados com os cartazes alusivos à peregrinação que está integrada na Semana da Diocese 2019.

CB

Nov
3
Dom
Igreja/Liturgia: Dia diocesano da Música Litúrgica em Viana do Castelo
Nov 3 todo o dia

Viana do Castelo, 16 out 2019 (Ecclesia) – A Diocese de Viana do Castelo vai promover, a 03 de novembro, no Auditório Paulo VI daquela cidade, o I Dia Diocesano da Música Litúrgica.

Esta iniciativa, promovida pelo Secretariado Diocesano de Liturgia de Viana do Castelo e integrada no dia da diocese, é um dia formativo “para todos os grupos corais da diocese”, com “grande destaque para a Apresentação do Cantoral Nacional”, recentemente publicado pelo Secretariado Nacional de Liturgia, realça uma nota enviada à Agência ECCLESIA.

A abertura dos trabalhos, 09h30, é feita por D. Anacleto Oliveira, bispo de Viana do Castelo, e 15 minutos depois é apresentado o Cantoral Nacional por Emanuel Pacheco, Serviço Nacional de Música Sacra.

O resto da manhã é preenchido com vários workshops sobre canto, direção coral e órgão que vão ser orientados por Vítor Lima; Emanuel Pacheco e padre Jorge Barbosa.

“Só com a devida formação dos leigos neste campo, é possível reduzir a influência musical de pouca qualidade”, lê-se na nota.

A eucaristia, às 15h30, encerra os trabalhos e é presidida por D. Anacleto Oliveira.

LFS 

Dez
1
Dom
Beja: Diocese vai celebrar 250 anos da sua restauração
Dez 1 todo o dia

Programa das comemorações é apresentado esta quarta-feira, 10 de julho

Beja, 08 jul 2019 (Ecclesia) – A diocese de Beja prepara-se para a celebração dos 250 anos da sua restauração, reconhecendo uma “história difícil e dramática” mas que importa assinalar junto do povo que “deseja e precisa da mãe Igreja”.

“A Igreja sempre foi mãe, neste novo contexto sublinha a dimensão da maternidade, porque as pessoas no fundo, desejam e precisam dessa maternidade. Estas festividades poderão ajudar nesse sentido”, explica à Agência ECCLESIA D. João Marcos, bispo diocesano desde 2016, que fará a apresentação pública das comemorações na tarde do dia 10.

“Estamos num tempo novo, de término e início de outras. Vamos devagarinho, mas há vida, há festa”, sublinha, recordando uma nota escrita aos diocesanos onde convida “diocesanos e não diocesanos” para um programa de celebração, com início marcado para 1 de dezembro e encerramento a 22 de novembro de 2020.

Para contar a história da diocese estará patente uma exposição, na pousada de São Francisco, desde 1 de março a 9 de maio, que será objeto de visita dos seis arciprestados de Beja.

A par da exposição, estão previstas conferências com convidados que falarão da história mas também do futuro da diocese, a última a cargo do Arcebispo de Évora, D. Senra Coelho, sobre «Como olhar hoje e que lição tirar dos fatores e circunstâncias culturais, sociais, políticas e religiosas explicativas da descristianização do Alentejo no passado?»

Reconhece D. João Marcos a raiz católica de muitos diocesanos mas, afirma, “a semente não germinou”.

“A maioria das pessoas reconhece-se católica e foi batizada, apesar de essa semente não ter germinado. Esse é o problema deste Portugal que temos hoje, dos católicos portugueses que somos e desta diocese”, lamenta.

O bispo titular desde 2016 acredita que conhecer a história da diocese irá ajudar os cristãos a um relacionamento e prática mais assídua, contando para isso com a publicação, “em setembro”, de um livro da autoria do padre Luís Taborda, pároco de Castro Verde, e o cónego António Aparício.

O próximo ano vai ainda ser marcado pela oração.

“A diocese é convidada a praticar a oração: nas laudes, vésperas, antes das refeições, orações em família. Vemos que o ir à missa é o único momento de oração dos que praticam e é muito pouco”, lamento o responsável.

Numa carta dirigida aos diocesanos, D. João Marcos aponta a diocese como um terreno a ser “semeado”.

“A diocese é hoje um grande terreno que precisa de ser lavrado e semeado para produzir uma seara nova. Estas festas dos 250 anos da restauração da diocese deverão marcar o início desse tempo novo”, afirma.

LS